sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Dia 108 - Dando e recebendo presentes-tralha

Boa noite,
  
Hoje eu resolvi falar sobre tralha, na verdade, mais especificamente sobre o presente-tralha. Vocês provavelmente já ganharam um desses e também já deram um a alguém. Eles são fofos, lindinhos, coloridinhos, descolados e são.. bem... inúteis e desinteressantes. Resolvi abordar esse assunto porque, fazendo as compras de Natal antecipadamente e sendo os presentes a única coisa que eu posso comprar, passei a observar a imensa quantidade de tralha que as pessoas dão umas às outras e o modo como o comércio transforma tralha em coisas lindas presenteáveis. Ok, mas o que é tralha? Tralha é tudo aquilo que nós temos e não usamos. Um presente não está fadado a ser tralha, é claro, mas, quando menos esperamos, compramos os presentes de Natal (ou de aniversário, de dia das crianças ou de qualquer outra coisa) e pronto: a tralha acontece. Acontece comigo e com vocês. Acontece quando a gente dá um presente para alguém que parece ter (ou de fato tem) tudo; quando presenteamos uma pessoa mais simples que precisa do básico; quando presenteamos até mesmo as pessoas próximas e conhecidas. De mãe para filho, de esposa para marido, entre amigos, a tralha é uma realidade!

A tralha não nasce tralha, é claro. Geralmente ela está travestida de ideia excelente e você pensa assim, que esse ano o seu presente será super original e mega criativo pois você vai dar de presente uma coisa muito diferente. Às vezes a tralha surge naquelas situações em que se tem de presentear alguém a quem se conhece muito pouco e o presente comprado é algo genérico. Pode ser que um presente vire tralha quando a gente resolve dar para a prima pobre um colar maravilhoso num momento em que na verdade ela gostaria de ganhar toalhas de banho. Outra situação potencial para tralha é aquela em que compramos cestas. Gente, eu acho lindo aquelas cestas e adoro ganhar, mas vamos combinar que muita gente guarda no armário do banheiro os sais de banho (usar como no chuveiro?) e deixa lá até mofar ou então acha linda a cesta de café da manhã com suas geléias (só que por acaso aquela pessoa destesta geléia). Quem nunca ganhou um presente de grego, levante a mão! Pior ainda: quem nunca ganhou um presente de grego e acabou guardando e usando por anos a fio só para ser agradável com alguém? Acontece. Então estou aqui hoje escrevendo no intuito de dividir com vocês as minhas novas ideias sobre presentes.    

Antes de qualquer coisa, é importante a gente ter em mente o seguinte:

1-Estamos comprando presentes para OUTRA PESSOA que não tem o mesmo gosto da gente. Muitas vezes seguimos aquele raciocínio de tratar as pessoas como gostaríamos de ser tratados na hora de presentear. O resultado nem sempre é o esperado, porque tem pessoas muito queridas que não acham que ganhar alguma coisa que a gente adora é uma boa ideia. Nem toda mulher gosta de maquiagem, de sapatos, de roupa, por exemplo.

2-Precisamos parar com essa mania de não aceitar a natureza de algumas pessoas. Ok, eu acho meio chato comprar um livro de auto-ajuda para dar de presente, mas talvez seja justamente esse o presente que mais agradaria a uma pessoa que eu adoro. Eu acho meio decepcionante escolher entre 5 tons de sombras que, para mim, são absolutamente iguais, mas talvez sejam completamente diferentes aos olhos de uma amiga que gosta muito de maquiagem. Eu tenho a maior dificuldade para escolher qualquer coisa eletrônica e acho super impessoal dar algo desse tipo de presente, mas tem uma pessoa que eu adoro que pensa diferente e adoraria ganhar qualquer parafernália desse tipo. Logo, não é porque eu detesto alguma coisa e acho meio chato comprar aquilo que a pessoa a ser presenteada pensa assim, então vamos parar de querer controlar as pessoas até na hora de dar um presente. (OK, agora vamos respirar fundo e admitir que o filho adolescente prefere ganhar um sobretudo preto para usar todos os dias do ano com seus amigos metaleiros do que um tênis de corrida).

3-Nem sempre aquela nossa ideia para um presente super criativo-inédito-original realmente vai agradar. Ok, estamos cansados de dar sempre a mesma coisa, mas e se a pessoa gosta mesmo daquela coisa de sempre? Conheço muita gente que adora ganhar presentes parecidos. Isso não quer dizer que a gente não pode surpreender ou ousar na hora de presentear, mas é bom a gente ter certeza de que conhecemos a pessoa a ser presenteada razoavelmente bem ou que estejamos dispostos a correr o risco de não agradar. Talvez seja melhor correr riscos com as pessoas mais próximas (eu mesma adoro ganhar alguma coisa que não pensaria em comprar mas que depois percebo que tem tudo a ver comigo).

4-A maior parte das pessoas PRECISA de algumas coisas então talvez valha a pena a gente obserar bem para dar um presente útil. Na verdade, útil talvez não seja a palavra certa porque é comum a pessoa querer coisas que não são super úteis mas que são coisas que ela gostaria de ganhar e normalmente não compraria para si mesma. 


Uma coisa que eu acho muito importante dizer, é que algumas pessoas que presenteamos podem realmente ter, no presente que damos a elas, uma das poucas oportunidades em suas vidas de ganhar alguma coisa que estão realmente precisando e, nesses casos, o presente tem uma importância muito grande para essas pessoas. Talvez na sua vida essa pessoa seja alguém que trabalha na sua empresa num cargo mais simples, talvez seja a pessoa que faz a limpeza da sua casa, talvez seja uma amiga que está passando por um aperto financeiro, talvez até mesmo um parente que tem uma situação econômica razoável mas que não consegue comprar, sei lá, um produto de que gosta de uma marca de mais qualidade. Enfim, talvez essa pessoa seja você que, apesar de ter internet e pagar suas próprias contas, está precisando de um sapato novo. Quando damos um presente útil para alguém estamos ajudando a simplificar a vida de quem recebe o presente e dando a essa pessoa a chance de deixar de gastar o dinheiro que gastaria ao comprar aquele produto. Outra coisa muito bacana que vem de brinde com o presente útil é a economia de tempo: a pessoa presenteada não terá de sair de casa e ir a uma loja para comprar aquele produto. 

Como estou sem comprar coisas supérfluas, ando pensando mais no que eu compro para as pessoas e estou dando presentes que eu nunca teria comprado nos anos anteriores. Para a amiga que adora massas e que já tem de tudo, pensei que seria uma boa dar um cesta com produtos simples para fazer um jantar italiano, como molhos finos, massa artesanal, um vinho de boa qualidade, taças, queijo parmesão. Parece meio simplório, talvez, mas eu tenho CERTEZA de que ela vai gostar e vai usar. Estou tentando abolir aqueles presentes super gracinha que acabam num canto do armário e ninguém usa. Velas? Só para as pessoas que gostam de acendê-las de verdade ou que estão declaradamente querendo decorar a casa. Paninhos, toalhinhas bordadas e coisinhas afins? Só para as pessoas que deixam claro que gostam desse tipo de detalhe. Chocolates finos e vinhos maravilhosos? Só para quem conhece, aprecia e não está de dieta. Coisas para a casa? Só se eu tiver certeza ABSOLUTA de que a pessoa gosta de ganhar coisas pra casa (tem gente que detesta!). Maquiagem? Só para as mulheres que eu vi maquiadas com frequência. Gravata? Só para os homens que adoram ganhar ou que estejam precisando delas.  Agora, imaginem uma cesta de presente que consiste numa velinha aromatizada, uma toalhinha minúscula bordada, um chocolatinho lindinho engordativo, e um pegador de panela lindinho... Pode agradar algumas pessoas (como eu) que adoram coisinhas lindinhas e fofinhas, mas a probabilidade de tudo isso virar tralha é imensa na maior parte dos casos!


Acho que é possível não dar presentes-tralha para a maior parte das pessoas. Eu, pelo menos, estou me esforçando para isso. Talvez eu erre feio quando se tratar de pessoas que conheço pouco, mas aí acho que é mais compreensivo, mesmo porque, um presente, quer gostemos dele ou não, é sempre um grande prazer, pois é um gesto de carinho. Uma boa ideia para pessoa pouco conhecidas é dar itens que qualquer pessoa usaria, porém de qualidade um pouco superior ao que normalmente aquela pessoa compraria. Costuma funcionar e, se ela não gostar mesmo assim, há uma grande chance de que outra pessoa em sua família use (exemplo: se a pessoa não gostar dos sabonetes pode ser que a irmã ou a filha goste). Um dos segredos nesses casos é fazer o óbvio um pouco melhorado. Parece estranho, mas geralmente não é o que fazemos na hora de comprar presentes. Preferimos ser rebuscados, elaborados, complexos e confusos. O mais interessante é que muitas vezes o óbvio é tão incomum que, quando ele acontece, passa por criativo. Uma pessoa que adora ponto cruz, por exemplo, pode achar super criativo ganhar um kit com agulhas, linhas e revistas para bordar dentro de uma caixa de presente de bom gosto. É simples, é óbvio e funciona... mas por algum motivo insondável, é incomum! Para uma menina pequena em idade escolar várias cartelas de adesivos e algumas canetas diferentes com um embrulho bonito podem ser itens que farão muito sucesso. Dar presentes que serão apreciados de verdade não quer dizer que vamos evitar itens pouco práticos e mais românticos, mas sim que buscaremos dar presentes mais significativos que realmente interessam ao presenteado, seja um kit com ferramentas para mexer nas flores do jardim ou um livro de poesia. 

Pode parecer que esse assunto não tem muita relação com o blog, mas eu acho que tem, e muita! A compra de presentes movimenta muito dinheiro e, para muitas famílias, representa a maior parcela das despesas com bens não essenciais no orçamento. Presentear também é um modo de demontrar afeto. Por tudo isso, acho que vale a pena gastarmos nosso dinheiro, tempo (e paciência) escolhendo um presente que não vai ficar jogado num canto. Outra coisa importante é a gente pensar no impacto que os presentes não utilizados têm no mundo (ok, agora eu endoidei de vez, vocês podem estar pensando): um monte de recursos de todos os tipos, a força de trabalho de muitas pessoas, impacto ambiental em várias escalas, tempo, energia e um monte de coisas importantes foram investidos em cada lembrancinha que alguém ganhou e que não foi utilizada.

Então vamos pensar duas vezes ante de dar um presente lindo e genérico embrulhado em mil laços de fitas ou alguma coisa super lindinha que... a pessoa não gosta. Vamos pensar em presentes que serão usados de verdade ou que, apesar de não serem usados de forma prática, terão um valor muito grande para quem os receber (como por exemplo um álbum de fotos que só olha de vez em quando). Vamos romper com essa ideia de que um presente que gostaríamos de ganhar vai agradar alguém só porque essa pessoa tem mais ou menos a nossa idade ou faz mais ou menos as mesmas coisas que nós. Vamos abolir a noção de que um produto de marca famosa ou um presente caro será necessariamente um bom presente. Vamos evitar a tentação de comprar centenas de milhares de bibelôs se não tivermos certeza de que a pessoa gosta de coisinhas sobre os móveis. Vamos tentar entender que coisas desnecessárias que ninguém usa são uma forma triste de desperdício que deve ser combatido. Por outro lado, vamos também compreender que nem todo mundo que ganhar coisas super práticas e que, salvo raríssimas exceções, a maior parte das mulheres não fica feliz ao ganhar panelas e a maior parte dos homens não acha o máximo ganhar gravatas.

Termino o post convidando vocês leitores a participar através dos comentários contando sobre presentes que ganharam e que usaram muito e também sobre os que nunca usaram. No meu caso me lembro que um dos presentes que mais gostei foi uma caixinha cheia de cartões em branco para serem utilizados em datas comemorativas; como a pessoa que me deu me conhece muito ela sabia que adoro escrever cartões. Foi um presente simples e, imagino, relativamente barato, mas eu adorei. Dois presentes que eu nunca usei foram um par de brincos de argola bem grandes, douradas (quem me conhece entende como esse presente é absurdo para mim) e um livro do Stephen King (bem menos absurdo, mas não faz muito a minha cabeça): por sorte pude trocar esses dois presentes sem maiores constrangimentos!

Abraço, 


Marina Paula


umanosemcompras@yahoo.com.br

24 comentários:

  1. Levanta a mão quem já ganhou um presente tosco de amigo secreto \o/
    Minha mãe vivia me presenteando com bibelôs artesanais e meu pai com bijuterias, um dia agradeci mas disse que não queria essas coisas, eles ficaram chateados mas superaram, agora eu ganho sempre panos de pratos pintados/bordados da minha mãe e chaveiros do meu pai, ahahahah.
    Presentes que eu amo: livros (se for ruim dá pra trocar no sebo), pijamas, meias e hidratantes.

    ResponderExcluir
  2. Marina, adorei este post pois com esta história de não comprar tudo que vejo quero comprar para presentear, mas estava pensando no Natal e sobre originalidade. Sempre dei o maior valor para oque ganho de presente, e na minha familia , que é bastante humilde, sempre presenteamos um aos outros com presentinhos originais, minha tia é manicure, e percebo que alguns anos ela repassa os presentes pra mim, são necessáries, colares, e creminhos, bem embrulhados, que eu adoro, minha mãe, sempre me dà algo pra casa, como lençóis ou toalhas, ou no meu aniversario tapetes de crochê que ela mesmo faz, e minha avo que é costureira, sempre aparece com alguma blusinha básica, ou alguma roupa que ela vê que se pareça, com as que eu levo para consertar, ou ainda já me deu plantas ou toalhas de mesas feitas por ela... Enfim adoro tudo e uso tudo, porém quando me uni ao meu marido estranhei no primeiro Natal, no qual comprei presentinho pra todos e depois vi que nunca ninguém usou, dei uma vez um porta retrato bem trabalhado com uma foto nossa pra minha sogra e ela não ligou muito, no ano seguinte dei um presente mais caro e percebi que fez bem mais sucesso, fiquei chateada pois acho que esta associado sim a lembrança, a importar se com a pessoa, meu marido não é muito de nos presentear, mas já conheci ele assim, mas dou o mesmo valor na caixinha de musica (primeiro presente),onde guardo bijoux mais delicadas , ao carro que ele me deu de presente, trazendo a chave no meio de uns sabonetes do boticário.

    Bjs

    ResponderExcluir
  3. Nossa,acho que sou a rainha dos presentes tralha! Adoro,adoro dar presentes. Prefiro mil vezes dar do que receber presentes,ateh pq os presentes tralha sao uma constante na minha vida. Eh verdade que de um tempo para ca as coisas estao melhorando,tvz eu esteja me fazendo conhecer melhor,quem sabe...
    Bem, adoro dar presentes diferentes. Perco um tempao pensando em alguma coisa beeeeem legal mas muitas vezes vejo que dei o presente que EU gostaria que aquela pessoa GOSTASSE e nao o que ela realmente gosta...rsrsrs..Viajo na maionese pensando em como eh bacana ganhar uma caixa de charutos,mesmo que o presenteado nunca fume nada. Ja dei,pelo menos, uns quinze livros Walden ou a Vida nos Bosques,do Thoreau, acreditando que aquele livro mudaria vida das pessoas..rsrsrs... Incensos,incenssarios e afins sao dados por mim,ano apos ano,para as mesmas pessoas,pq sempre esqueco o que dei no ano anterior.Minha mae,coitada,adepta dos livros de auto-ajuda nao aguenta mais ganhar Balzac...E assim poderia fazer uma lista sem fim dos presentes tralha que ja dei na minha vida...rsrs Prometo tentar melhorar. Adorei o post!!!!!
    Bjo grande,
    Valeria.

    ResponderExcluir
  4. Sabe o que eu faço com presentes-tralha? Reciclo. Passo pro outro lado da família no próximo evento festivo. Sem a menor dor na consciência!

    ResponderExcluir
  5. Olá Marina,

    Primeiro quero te falar da coincidência do exemplo que vc deu: eu já comprei um sobretudo preto pro meu filho! kkkk O pior é que acabou virando tralha pois a euforia metaleira durou pouco....rsrsrs

    Eu fico um pouco chateada quando dou algum presente, como por exemplo roupa, e vejo que a pessoa não usa. Gasto muito tempo procurando uma roupa que imagino que a pessoa gostaria e, para a minha surpresa, jamais vejo a pessoa usando. Isso já aconteceu com roupas que dei para minhas irmãs e para os meus filhos. Por causa disso, agora prefiro dar um envelope com dinheiro para as pessoas mais próximas. Dinheiro não corre o risco de virar tralha e eu não perco tempo vasculhando o shopping atrás de um presente.

    Vc está pensando já no Natal, mas eu ainda estou no Dia da Criança. Não sei o que comprar para minha neta que tem todos os brinquedos, roupas e sapatos que vc possa imaginar. Já aconteceu, por duas vezes, de dar brinquedos que ela já tinha! Ela tem 6 anos. Fiquei pensando novamente na idéia do dinheiro e estou imaginando confeccionar eu mesma uma árvore de papel cartão e pendurar dinheiro. Uma árvore de dinheiro! Acho que ela ia adorar e achar engraçado. Aí poderia comprar o que quisesse (ela adora ter seu próprio dinheiro).

    ResponderExcluir
  6. Caramba! Ja ganhei inúmeros presentes-tralha... tenho a maior dificuldade de me desfazer deles. Tem uns que dá vontade é de jogar fora mesmo, de tão inúteis e por combinar tão pouco comigo, mas simplesmente não consigo, bate o maior remorso...
    Mas de um tempo para cá adotei a tática de sempre encaixar nas conversas com amigos e famíliares assuntos relacionados às coisas que gosto e aos hobbies que tenho (mas sem ser chato!), e habitualmente em datas comemorativas tenho recebido bem menos tralhas. É uma tática meio subliminar, mas tá funcionando, rsrs.
    Por exemplo, gosto demais de plantas e principalmente de espécies frutíferas ou de outras árvores que uso para fazer bonsai, todos a minha volta já sabem disso, então tenho ganhado muitas mudas, vasos, tesoura de poda, ferramentas para jardinagem. Adoro tudo isso e assim, acho que dou chance para as pessoas que gostam de mim, me darem de presente essas coisas que realmente uso.
    Abraços a todos!

    ResponderExcluir
  7. Marina, tudo bem ? Eu já recebi e quase certo que já dei presente -tralha, mesmo sem saber que para outra pessoa aquilo ali era uma talha e pra mim era uma gracinha de objeto. Um dos presentes diferentes que mais gostei de ganhar foi um vale-brinde que dava direito a uma massagem especial nos pés, numa loja de SPA dos´pés...esse eu achei muito original e combinou demais com meus .Outro presente que me agradou muito foi um bibelô: dois gatinhos de cristal, que um casal amigo trouxe pra mim.Também as camisolas com pala em crochê, que minha mãe fez e me presenteou me encantam toda vez que uso. Os anéis, colar etc, que ganhei do seu pai de presente em alguns aniversários de casamento, de natal, etc,ocupam um lugar á parte, representam um clima romântico, amoroso,têm um significado especial para ambos. Eu acho que todo presente por mais delicado ou simples que seja,mesmo as tralhas, tem um significado por trás dele e acho que só é chato mesmo ganhar presentes que não venham revestidos de nenhum significado. Um beijo.

    ResponderExcluir
  8. É verdade, a quantidade de dinheiro que se gasta em presentes (que na sua maioria vira tralha) é absolutamente absurdo. É lógico que ganhar presente, lembrança, é bom, aquece o coração, mas e se te derem de presente uma coisa que não tem nada a ver com a sua cara? O sentimento é beeeeeem diferente, não é?
    Durante anos durante a infância e adolescência, eu recebia no Natal e Aniversário um monte de presentes-tralha (bibelots, panos de cozinha, toalhas para o enxoval de casamento (?!?!?)), q eu ñ gostava nada e me deixavam deprimida, enquanto ao meu irmão davam coisas úteis, como meias, pijamas, cuecas... ai, o que eu suspirava por meias e cuecas (kkkkkkkk)e nunca recebia!
    No Natal do ano passado, eu decidi deixar de gastar dinheiro em presentes que dava só por dar. Então eu decidi fazer. Fiz de crochet cachecóis para mãe, madrinha e mãe do namorado. Imprimi a preto e branco e coloquei em moldura fotos "icónicas" do meu pai e pai do namorado. E para as crianças da familia fiz também cachecoizinhos fofinhos (em vez de brinquedos q elas têm aos montes e já não apreciam) - vim depois a descobrir que uma delas, apesar de ter milhões de brinquedos, não tinha 1 único cachecol!!!!
    O que gosto de receber e não escondo num canto:
    Livros (sempre), brincos, perfumes, cachecóis e lenços e cheques-prenda (presente que meu irmão me dá sempre agora, e eu adoooooro).

    Beijos, adoro seu blog, acho de coragem a sua experiência!

    ResponderExcluir
  9. @Ashen Lady Ei Ashen! Uma coisa que todas as pessoas me davam em quantidade e que eu realmente não usava muito era perfume. Gostava de poucas fragâncias e, de tanto ganhá-los, acabei nunca comprando pra mim um dos que EU gostava. Pouco antes do ano sem compras começar eu comprei, finalmente, um perfume para mim e o resultado foi... bem... terrível: uso poucoo perfume porque, apesar de adorar o cheiro, a essÊncia me dá dor de cabeça (o que será que colocaram na fórmula?). Achei muito engraçado os seus pais muito animados te dando sempre os mesmo presentes!!!! rsrsrsrs;....

    ResponderExcluir
  10. @Cris Oi Cris, realmente o mais importante no presente é o fato da pessoa ter pensado na gente com carinho. Isso é o que realmente importa. Agora, é bom a gente unir o sentimento com a parte prática... O que eu tive a impressão é que a sua família é muito carinhosa e a dos seu marido foi um pouco indelicada (talvez tenham tentado disfarçar mas não deu muito certo..). Será que o que fez o presente fazer sucesso foi o preço ou o tipo de produto que você comrpou e que pode ter agradado mais? Se for o preço, poxa, sinto muito... é uma pena mas às vezes as pessoas valorizam mais o aspecto material do que o subjetivo.

    Adorei a caixinha de música.... achei um mimo...

    Pessoalmente, o que eu MAIS AMO em ganhar presentes é receber cartões ou livros com dedicatória... me sinto muito querida, guardo os cartões recebidos e em momentos difíceis da minha vida dou uma olhadinha nessa grande biblioteca afetiva. Realmente me faz sentir especial e muito amada.

    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  11. @Valeriia Caramba, esse deve ter sido um dos comentários mais engraçados e bem humorados do blog... me parti de rir, sério...!!!! Às vezes a gente tem mania de dar para as pessoas o que a gente gostaria que elas gostassem (e isso não tem pé nem cabeça)e acaba dando coisas super interessantes e cheias de sentido que nos dizem muito, mas que não dizem nada às outras pessoas. Consigo imaginar você toda contente dando o Wladen ou a caixa de charutos para as pessoas super mega empolgada achando que toddas elas vão achar o máximo... é fofo e carinhoso mas pode resultar sim, em tralha! KKKKKKKK.... E 15 livros é muito livro, acho que você realmente gosta do Walden! Aliás, obrigada por me dar uma cópia desse livro que eu, por sinal adorei (e não virou tralha!).

    Beijo e abraço!

    ResponderExcluir
  12. @CSH A ideia de reciclar é muito boa, eumesma já fiz isso no passado. Hoje em dia eu simplesmente troco o presenter quando isso é possível. A única coisa importante quando reciclamos p0resentes é de encontrar alguém que combine com o presente, senão apenas estamos passando a tralha adiante! KKK... Abraço!

    ResponderExcluir
  13. @Leila Franca Leila,
    Alguns dos meus grandes amigos eram da turma do sobretudo preto. Tive uma adolescência muito divertida e intensa e também já tive lá as minhas roupas diferentes...

    Olha, muitas pessoas ganham as coisas e acabam não usando. Na hora que oferecemos a elas alguma coisa elas aceitam e fazem uma cara boa mas depois não usam.. geralmente isso é porque elas não gostaram do que ganharam e se sentem constrangidas para dizer. logo, talvez você consiga achar uma amiga que tenha gosto parecido com o seu para dar as roupas de presente.

    Fazendo pesquisa na net e lendo outros blogs eu me deparei com alguns posts falando sobre dar dinheiro de presente. Realmente, dinheiro para muitas pessoas é o presente perfeito, pois ele permite comprar qualquer presente, a escolher. Alguns pots falavam isso, que dar dinheiro era ótimo e outros falavam que dar dinheiro era complicado pois as pessoas muitas vezes sentiam que era pouco afetuoso. Bem, eu pessoalmente já ganheir dinheiro algumas vezes e gostei. Uma coisa que já aconteceu foi de eu não usar o dinheiro para comprar algo pra mim mas sim para pagar coisas (sabe quando o dinheiro que está na carteir vai sendo gasto aos pouquinhoscom essas pequenas continhas do dia a dia como um lanchinho, o estacionamento pro carro, a gorjeta, etc.? Pois é..). Atualmente quando ganho dinheiro eu compro alguma coisa pra mim rápido, senão o dinheiro ganho de presente vira dinheiro pra gastar com essas coisinhas do dia a dia e acabo não curtindo. Acho que com as crianças isso é bem pouco provável de acontecer e elas adoram ganhar dinheiro pois se sentem, além de tudo, adultas e donas do próprio nariz, ainda que seja só por algumas horas!

    Abraço!

    ResponderExcluir
  14. @Andr� Pereira Andr´´e, eu adorei a sua tática dedar dicas e mostrar quais são as coisas que te interessam! Eu já fiz isso e funcionou! Acho que eu teria receio de dar uma pá ou vasos de presente para alguém mesmo se essa pessoa gostasse de mexer com plantas então a sua dica é boa porque você mostra para as pessoas que isso realmente te agrada. Acho que muitas vezes temos ideias arraigadas sobre o que pode ser considerado presente e o que não pode. Ferramentas para jardinagem talvez sejam mesmo o melhor presente para você mas muitas pessoas podem se sentir inibidas. Foi isso que eu quis dizer quando escrevi que as pessoas têm medo de fazer o óbvio e simplesmente dar de presente aquilo que a outra pessoa gosta. Nós complicamos demais coisas que são simples, né?

    Abraço!

    ResponderExcluir
  15. @Lourdinha Oi mãe! Está se tornando cada vez mais comum o hábito de presentear as pessoas com "experiências" e não com coisas. O seu vale massagem é um bom exemplo. Em tempos onde muitas pessoas têm de tudo, o presente-experiência é uma boa saída que gera memórias ao invés de gerar tralha!

    Sabe, acho que você está certa: até tralha é gostoso ganhar quando ela vem revestida de significado e é dada com carinho. Às vezes ganhamos tralha porque a pessoa acredita estar nos dando algo que nos agrada e aí tudo bem,a gente entende, se sente acarinhado... mas às vezes ganhamos tralha porque a pessoa tem preguiça de comprar algo que se pareça conosco e isso é muito chato, faz a gente se sentir meio frustrado... enfim... tralha ou não, tods gostamos de sentir que os presentes que ganhamos são fruto de um sentimento afetuoso e não da sensação de obrigação. Quando o presente vira uma formalidade, perde o significado e isso é pior que tralha.

    ResponderExcluir
  16. @Catarina Oi Catarina! Antes de tudo agradeço pelo seu elogio ao blog e te digo que não spou muito corajosa, só muito animada (o que me leva a ter sempre um projeto em andamento).

    Olha, realmente é ruim quando a gente ganha algo que não tem nada a ver com quem somos. Pior mesmo é quando a gente percebe que a pessoa escolheu o presente de qualquer jeito ou que alguém que convive sempre com a gente não faz mínima ideia de quem somos... erros simples são normais, mas tem alguns presentes que eu ganhei que já me fizeram sentir completamente mal e ignorada por serem absurdos e até mesmo grosseiros... e isso é horrível.

    Olha, fiquei CHO-CA-DA com o fato de você ganhar coisas para o seu enxoval quando era criança e adolescente... sério, gente, que coisa mais bizarra!!!! rsrsrsrsrs.... e o seu irmão ganhando coisas práticas... nossa, devia ser frustante!!!

    Achei ótimo você ter fabricado os presentes de Natal. Eu adoro o Natal e acho que fazer alguns presentes torna essa época ainda mais divertida. Eu gosto mutio de ganhar presentes artesanais feitos pelas pessoas que me presenteiam pois sempre que os uso penso no tempo e no carinho envolvidos na confecção daquela peça.

    Quanto aos cheques-prenda, você acredita que eu NUNCA ganhei um? acho que seria interessante mas sou meio romÂntica e gosto da ideia de ganhar um presente surpresa. Se bem que, pensando bem, um cheque-prenda de uma loja que eu ADORO seria sim um presente muito pessoal, pois a pessoa teria se esforçado para escolher o cheque de um lugar onde gosto de comprar...!

    Um grande abraço!

    ResponderExcluir
  17. Olá, Cheguei aqui pelo blog da Bicha Fêmea e o post que escreveu sobre "um ano sen gastar dinheiro".
    Li este post e achei muito interessante. Na verdade, tenho alguma dificuldade em compras prendas de Natal pois esta época é difícil e agora, com os cortes nos salários e os impostos a aumentarem, quero cortar às compras, para mim, e para as prendas do próximo Natal.
    Se recebo prendas que gosto e uso, outras há que ficam arrumadas.
    Li um dos comentários em que dizia que ofereceram um cheque prenda SPA. Como eu adoro esse tipo de prendas.
    Já tive uma massagem ZEN, assim como no aniversário deste ano, um fim de semana em "a vida é bela".(ah!estou a escrever de Portugal).
    Pode ser um pouco dispensioso, mas se for oferecido por 2 ou 3 pessoas, fica mais económico e é uma delícia desfrutar deste género de "mordomias".
    E dou os parabéns pelo esforço que está a fazer em não comprar o que, por vezes, deixamos na prateleira do nosso armário.(já aconteceu isso comigo)
    Penso que este blog foi o mote para eu tentar também evitar gastos supérfluos, que não tenho, mas de vez em quando me ofereço para...
    (quero poupar algum dinheiro e fazer uma viagem ao Rio de Janeiro).
    Virei cá espreitá-la.
    Gostei deste espaço.
    Bj
    Maria

    ResponderExcluir
  18. @cantinhodacasa Maria, Sei que a situação está complicada em toda a Europa e especialmente em alguns países, entre os quais Portugal. Aqui no Brasil amargamos por muito tempo anos de inflação, baixos salários e altos impostos (esses persistem), o que impedia muitas famílias de ter natais realmente prósperos e de comprar muitos presentes. O que eu aconselho é que confeccione suas prendas de Natal e que dê presentes úteis porém baratos (por exemplo, se uma pessoa gosta de sabonetes, dê alguns de qualidade um pouco superior que ainda assim será um presente realativamente barato).
    Eu nunca ganhei cheques prenda, mas acho que gostaria muito, porque talvez escolhesse algum produto que normalmente eu não compraria sem me sentir um pouco culpada ou sem ter a sensação de que aquele dinheiro poderia ser usado para coisas mais importantes. Isso é muito bacana nos vales prendas: eles nos dão a possibilidade de nos mimarmos um pouco e curtir uma massagem como você mencionou ou um fim de semana em uma boa pousada ou hotel... tudo de bom!Ah, por sinal quem ganhou a massagem foi a minha mãe: desde que eu me conheço por gente ela ADORA massagens!

    Muito obrigada pelos elogios ao blog; convido você a entrar para a galeria de leitores que não estão comprando também caso decida mesmo parar de comprar por um tempo ou cortar das suas compras habituais alguns ítens. Quanto ao seu desejo de conhecer o Rio, digo que fez uma boa escolha: o Rio é realmente uma cidade maravilhosa, cheio de pessoas alegres e de bem com a vida, que une tudo que se pode desejar de uma grande cidade a uma natureza esplendorosa e bela. Então comprando menos poderá conhecer o Rio: adorei a ideia, achei um luxo! Eu espero um dia conhecer Portugal...

    Grande abraço e não deixe de passar aqui de novo e me dizer se devo colocar seu nome na lista dos que não estão comprando!

    ResponderExcluir
  19. Olá , tenho uma dica de minha prima, ela pega um pote de pl´stico com tampa, desses transparentes, e faz uma receita de um bolinho que se chama BEIJO de MUlata,coloca dentro e presenteia a pessoa.Cada receita dá uns dois potes fartos. eu já ganhei já dei e foi tudo ok!!!
    Marisol

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Poxa, que ideia ótima! Sabe que é uma boa mesmo? E é um presente completamente anti-tralha, porque será consumido! Dá pra fazer com outros tipos de coes também; pensei em fazer brigadeiro com avelãs e amarrar uma fita com uma colher pequena e fazer um laço. Fica fofo, né? É bem provável que eu use mesmo essa sua sugestão como lembrancinhas nesse Natal! Vou economizar bastante e tenho certeza de que as amigas e colegas de trabalho irão gostar. beijo!

      Excluir
  20. Eu ia gostar mesmo que alguém passasse na minha casa e se dispusesse a dar uma olhada nos meus armários e dos meus filhos. Negociaríamos as coisas que não usamos e o outro gostou (roupas, livros, brinquedos). Aí uma tralha viraria um presente útil e embrulhado em afeto!

    ResponderExcluir
  21. Eu ia gostar mesmo que alguém passasse na minha casa e se dispusesse a dar uma olhada nos meus armários e dos meus filhos. Negociaríamos as coisas que não usamos e o outro gostou (roupas, livros, brinquedos). Aí uma tralha viraria um presente útil e embrulhado em afeto!

    ResponderExcluir
  22. Oi, Marina! Gostei do seu post! Vim parar aqui via " minimalizo". Menina, ganhei mais de 200 reais em presentes-tralha do Boticário. =/ Sentiu minha felicidade? Como ainda tenho cosmeticos-perfumes-tralha aqui acumulados de ocasiões anteriores...apesar de doá-los constantemente para terceiros e bazares de caridade, terminei devolvendo os presentes (ok, vai ter gente me achando grossa, paciência, nem Jesus agradou a todo mundo, não é mesmo? hehe) pois tenho intimidade com a pessoa que deu e já cansei de dizer pra ela que não preciso de nada mas, se ela quiser muito mesmo me dar alguma coisa, que me dê dinheiro...que eu guardo pra alguma coisa realmente necessária agora ou no futuro.Como minimalista assumida, seguidora da Simplicidade Voluntária ardorosa há anos e sobretudo não escondedora disso, muito pelo contrário, acho que pelo menos os mais chegados deveriam pelo menos se conformar com isso! rsrsrs

    ResponderExcluir
  23. Um dos presentes tralha que mais me marcou foi uma miniatura do Cristo Redentor que ganhei do meu irmão quando ele voltou do Rio. Sou atéia, mas sempre boto o dito cujo na sala quando ele vem me visitar, hahaha.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...